Translate

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Escrever um livro não é fácil!

Bom, como o blog anda muito parado, meus queridos leitores provavelmente estão atarefados de trabalhos ou provas e não tem tempo para dar uma passadinha por aqui, resolvi contar algumas experiências sobre a escrita!

A maioria de vocês provavelmente um dia já tentou escrever um livro, certo? Digo isso porque já ouvi de muitas (muitas mesmo) pessoas: "Nossa! Como você conseguiu? Eu sempre quis escrever, até começava minhas histórias, mas nunca terminei!". Acho que também se deve pelo fato de eu estar cursando Letras - Inglês. A essa altura do campeonato todos que continuam são realmente aqueles que tem alguma afinidade com o curso: ou gostam de tradução, ou linguística ou simplesmente gostam de ler (a doce literatura)!

É engraçado como sempre me pego pensando: estou no curso certo!

No primeiro dia de aula, quando todos precisavam dizer o próprio nome, de onde era, etc., os professores perguntavam: "Por que decidiu fazer Letras?"
Bom, muitos ainda não sabiam o que queriam e foram descobrindo aos poucos, mas alguns que estão até hoje responderam, como um dos motivos de estarem ali: "Porque eu gosto de ler."
Nesse mesmo dia eu já sabia: estava no lugar certo.

Enfim, meu gosto pela leitura vem de muito pequena... Quando eu ainda era uma criança, sempre gostei bastante de português e de ler os pequenos textos que os professores passavam. Na gramática era excepcional (para a minha idade, é claro. Hoje já é outra história...). Todos sempre ficavam impressionados comigo e com a minha irmã. Como eu já comentei em um post anterior, meu amor pela leitura surgiu ao ler Harry Potter.

Eu sei que muitos devem estar se perguntando: "Mas e em casa? Nunca te incentivaram a ler?"
Sei que
esse é um assunto da moda nos dias de hoje. Eu mesmo tento incentivar ao máximo meus sobrinhos a lerem e a gostarem de ler principalmente. Mas, na minha época, não tinha quem o fizesse. Não porque meus pais ou irmãos não queriam que eu aprendesse, mas porque eles não tinham tempo e sabiam que eu conseguiria fazer por mim mesma!

Meus pais nunca precisaram me mandar fazer tarefa de casa: quando eles olhavam já estava pronta.
Meu pai, pescador, mal tinha tempo para ficar com a gente. Sempre precisava sair para trabalhar e ficava apenas alguns dias em casa. Como ele iria me ajudar?
Minha mãe, professora, trabalhava de dia, a tarde e a noite e tinha pilhas de provas para corrigir.
Meus irmãos sempre fazendo sua parte: arrumando a casa, fazendo o almoço e todas essas coisas que minha mãe pedia. Enfim, eu e minha irmã (as mais novas) ficávamos com meus avós. Tenho poucas memórias dessa época, mas as que tenho são preciosas...

Como puderam ver, não tive aquele incentivo que hoje nós mesmos usamos nas crianças, e mesmo assim nunca deixei de fazer minha parte.

Então o gosto pela leitura foi aumentando... Não me perguntem como! Eu simplesmente tinha descoberto a minha eterna paixão. A leitura me fazia esquecer todos os meus problemas (nem eram muitos, afinal eu era uma criança, mas na época pareciam bem trágicos!). Quando eu segurava um livro nas mãos, tudo ao meu redor sumia e EU era Dumbledore e seus óculos em forma de meia-lua. EU era Hermione, a sabe-tudo mais legal de todos os tempos... EU era  Dobby, o elfo doméstico que só queria ajudar Harry Potter...
Conseguem entender?
Toda vez que eu entrava em um mundo novo, deixava de ser Luene Langhammer Alves para ser uma personagem criada por uma mente brilhante.

E um dia decidi: quero ser escritora!
No começo, seria apenas um hobby. "Trabalharei como tal, e escreverei livros para me divertir." Mas, aos poucos, descobri que não estava satisfeita com a ideia. Queria ser uma escritora por completo!

E então escrevi... Escrevi... Escrevi...
Foram muitas histórias que mal passavam de alguns capítulos até que eu colocasse em minha mente: "VOCÊ VAI TERMINAR SEU PRÓXIMO LIVRO!". O problema era que eu escrevia, escrevia, escrevia... E desanimava no meio do caminho. Ou os personagens não me agradavam ou a história parecia muito boba (e normalmente era, para ser bem sincera). Então eu sempre acabava jogando aquelas páginas no lixo.

No entanto, quando coloquei na minha mente que terminaria o meu primeiro livro, foi isso que aconteceu.
Não vou me focar demais nessa parte, já que contei isso em posts anteriores.

Enfim, eu queria mais.

Quando uma história que eu considerava boa aparecia na minha cabeça recém-formada, eu queria escrever e escrever! E agora, mais do que nunca, minha fome insaciável pela leitura foi crucial: eu aprendera novas palavras, nossas formas de se formar uma sentença, tudo!

Eu sempre digo: "Quer escrever? Então LEIA. Leia muito."

A minha experiência referente a essa saga que estou bolando é outra coisa. Todos meus "livros" (não sei se um dia serão publicados) eram... Simples. Você sabe. A garota se apaixona pelo rapaz. O rapaz se apaixona pela garota. Acontece alguma coisa para prejudicar o amor deles e eles precisam lutar para ficarem juntos. Típico. Normal.

E então eu pensava em Harry Potter... Como J. K. Rowling conseguiu? O que ela fez? Porque, vamos ser bem sinceros, até mesmo aqueles que não gostam de Harry Potter tem que admitir que ela é genial. Quem leu sabe do que estou falando. Não são simples livros. São livros que se conectam. Ela acrescenta uma pequena descrição que acaba passando despercebida lá no começo e que no fim faz toda a diferença... Como é difícil fazer isso!!

Eu pensei (depois de um sonho maluco que eu tive e que me deu a primeira ideia)... Quem vai ser meu personagem principal? Hmm...Mora aonde? Hmm.. O que vai acontecer? Hmm... Serão três livros? O que cada um vai ter?

Foram dias, meses, até que eu conseguisse finalmente pensar em tudo (pelo menos nos acontecimentos gerais, afinal a cada dia tenho novas ideias).
E então os outros personagens foram se formando... Criar seus nomes. Suas personalidades: são chatos? metidos? tontos? Criar suas características físicas: pra mim sempre a pior parte! Afinal, cada leitor vai ter uma visão diferente deles. Cada pessoa verá Fulano de certa forma por mais descrições que eu coloque. E eu sou péssima em descrições (mas estou melhorando)!

E então ação... Como cada capítulo se juntará? Normalmente eu escrevo e quando acho que está bom, termino o capítulo. É sempre bom deixar um mistério no ar... Assim os leitores não vão querer parar de ler! (Estou trabalhando nisso também).

Sempre tento programar o que colocarei nos livros. "Isso seria interessante acontecer! Aquilo poderia ser legal também!" E anoto TUDO. Tudinho. Mas, como escrever não tem nenhuma  receita, às vezes as ideias surgem do nada. Quando estou no ônibus olhando para a paisagem e algo me chama atenção... Quando estou vendo um filme... Quando estou na sala de aula e alguma coisa acontece... Enfim, às vezes a ideia simplesmente aparece! Minha mente me assusta...

E então existe uma coisinha básica chamada inspiração. Acredito que essa é uma parte crucial para a escrita, mas não adianta esperá-la aparecer e ficar sentado com os braços cruzados! Ela não vai aparecer a menos que você esteja procurando-a incessantemente. Você acha que a ideia maravilhosa que tive no ônibus apareceu por pura e espontânea vontade? Não. Ela apareceu porque naquele momento eu pensava no meu livro... O que posso fazer? Posso me utilizar disso? Seria interessante? O que posso acrescentar?

No entanto, para que minha cabeça funcione, preciso de concentração. Não adianta eu tentar escrever quando estou pensando no trabalho de tradução, na prova de quinta-feira ou na apresentação que preciso fazer. Vai sair só m*#%@. Isso pode variar de escritor para escritor - tal como a inspiração espontânea - mas eu não funciono bem quando tenho outras coisas para fazer.

Esse é meu grande desafio sendo ainda uma estudante universitária. Como vou parar tudo e apenas escrever? Tenho minhas responsabilidades e não posso simplesmente parar de estudar.

Por isso me utilizo bastante das férias de verão. São basicamente 3 longos meses de mente vazia e ideias pipocando. Meu terceiro livro foi escrito nas férias e... Modéstia a parte, é o melhor dos 3. Quem leu me disse como eu evolui (diferente do segundo que terei que melhorar muuito ainda!).

Enfim, não é fácil, como vocês puderam ver. Essas férias de verão provavelmente terei que trabalhar (a moleza acabou!) e realmente não sei como farei para começar o quarto livro.
Enquanto minha cabeça se enche de trabalhos e inglês, vou preparando o registro do primeiro livro e esperando... Quem sabe? Quem sabe uma semaninha de férias que eu terei em julho não seja o suficiente para dar uma engrenada nas minhas histórias?

Esperem! Não pensem que escrever só tem seus lados ruins! Pelo contrário, é tão prazeroso que eu mesma me assusto quando me divirto com a minha própria obra. Às vezes fico rindo como uma boba e pensando: "Nossa! Como eu consegui pensar nisso? É tão legal!". Muitas pessoas já disseram: "Não parece que foi você que escreveu!". Bom, eu aceito como um elogio, não uma ofensa. Por que, realmente, quem imaginaria que uma garota simplória como eu seria capaz disso? Um dia sei que eles não terão mais essa dúvida.

Por isso se você gosta de ler e escrever, não desanime. Pense na minha experiência :-)
Desde o começo foi difícil, mas olhe onde estou agora! Quem sabe você não é próximo (ou próxima)?
Escreva... Termine sua obra... Aceite as críticas... Aprenda aos poucos. Não ache que você saberá tudo de primeira! Não acredite que porque não deu certo uma vez, não dará outras! Tudo são tentativas e experiências valiosas que você levará consigo para sempre. Você acha que eu teria continuado caso não tivesse terminado meu primeiro livro?.. Ninguém sabe! Não vive com "se" ou "caso". Faça acontecer!

Todos nós temos esse potencial!

Abraços a todos e peço desculpas pelo post gigante. Sintam-se a vontade para perguntarem o que desejarem! Logo mais trago novidades sobre o registro.

Abraços,
L. L. Alves

17 comentários:

  1. Oh, I am a reader, not a writer. That's for sure. And I admire you very much. :) LOL

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thank you very much! But don't think you are not capable of something. If you weren't born to do it, it's fine. You probably have many other skills :D

      Excluir
  2. Adorei este post! Achei de muito corajoso expor tua experiência. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Marcia! Acho interessante mostrar para as pessoas que escrever é ao mesmo tempo uma tarefa difícil mas muito gratificante!! Beijos!

      Excluir
  3. Excelente postagem! Parabéns pelo blog, é uma delícia ler suas postagens. Eu não poderia esperar outra coisa de um blog seu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mirtes!! Seus elogios sempre são maravilhosos! Obrigada pela força de sempre :D

      Excluir
  4. ADOREI SUA POSTAGEM!E PELO QUE TE CONHEÇO DESDE MENINA NÃO PODERIA SER DIFERENTE,SEMPRE MUITO INTELIGENTE AS DUAS
    QUE ATE HOJE NÃO SEI DEFINIR QUEM É QUEM.RSRSRELA
    MANDA UM BJO PRA VERA ELA É UMA OTIMA PROFESSORA.BRAVA MAIS OTIMA PESSOA.
    BOA SORTE PRA VC.BJOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!! Pode deixar que mando sim!! Beijos :D

      Excluir
  5. Realmente, é muio difícil terminar uma ideia. Terminar algum texto que você começou é uma luta! Já tenho 3 texto que eu comecei e ainda não terminei Ç.Ç. Ler um post assim sempre dá aquele empurrãozinho pra tomar vergonha na cara e terminar rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom, Lucas! Não desista não! Esforce-se mais um pouquinho que vai! Boa sorte :D

      Excluir
  6. Agora entendo porque vc já está com uma série de livros!! rsrsrs Sua experiência é linda! Ainda bem que vc está retomando a inspiração e voltando a escrever. Como vc soube dizer mto bem no post, ultimamente muitos de nós andam atarefados. Eu estou terminando a revisão do meu romance e entrando em época de provas...mas hoje consegui passar aqui pra ver como estão seus ânimos! :) :) Não se esqueça, Lu: Força na peruca!!! O importante é não entrar em pânico! hehehe Continue assim, deixando as ideias fluirem!
    Bjos, força e fé!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pedro! Sim, a inspiração está voltando aos poucos, mas a força de vontade é a mais importante nessas horas!! Preciso realmente me focar no livro. Mas é como você disse: estamos atarefados demais e precisamos seguir com nossas responsabilidades.

      Pode deixar!! Obrigada pelo apoio! Boa sorte na revisão e muita paciência, força e fé! Você também tem talento de sobra! Boa sorte para nós! Beijos

      Excluir
  7. Me identifiquei muuuito com você. Só que eu não sei o que fazer, estou no meio de um livro e fico enjoado da história e já quero começar outra, além de ficar morrendo de preguiça de escrever. :C

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hmmm eu também era assim antes. Você vai ver que quando encontrar a história "certa" tudo vai começar a melhorar!

      Pode se identificar depois? Não sei nem seu nome ^^

      Beijos!

      Excluir
  8. Me identifiquei com cada pedaço do seu texto. Também sou péssima em gramatica, já reli meu livro e pensei "todo mundo vai achar isso muito idiota", já li algumas partes e pensei "nossa! como eu pensei nisso?". Também sei como é a sensação de viver várias vidas quando se abre um livro. Não sei qual foi o primeiro livro que li, ninguém nunca me incentivou a leitura, mas desde criança eu leio. Lembro que guardava os livros numa gaveta (gaveta! hoje preciso de estantes!) e ficava pegando eles pra ler uns pedacinhos.
    Acho que comecei a gostar de ler porque meu irmão mais velho desenha historias em quadrinhos, eu não sabia ler e morria de inveja dos outros irmãos que estavam lendo os quadrinhos dele. Depois que aprendi comecei a ler os quadrinhos, depois aqueles livros de crianças (que tem menos de 20 páginas) depois fui evoluindo evoluindo até ler livros de mais de 600 páginas! Não consigo mais parar de ler, virou parte da minha vida. Minha única duvida é tentar ganhar a vida como escritora ou fazer psicologia, que eu gosto tanto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O bom de quem lê bastante é que a gente acaba aprendendo muito né? Mesmo gramática.

      Aaah é muito bom ser escritor! Fico supeeer feliz que você compartilhe sua experiência com a gente *-*

      Lembro dessa época.... Os livros pequenos e guardados em algum canto.

      Você pode tentar fazer os dois né, Marina? Sei que não deve ser fácil, mas tenha paciência. As respostas chegaram no momento certo. Só digo que não vale a pena desistir de escrever, se você tem tanta vontade e talento!

      Obrigada pelo comentário, flor! Beijos!

      Excluir

Sua opinião é sempre bem-vinda!

Lembrando que:
1. todo comentário é moderado;
2. evite usar palavras de baixo calão, frases ofensivas ou preconceituosas, e principalmente conteúdo que não tenha relação com o blog e o mundo dos livros;
3. respondo todos os comentários.

Estou ansiosa para ouvir o que você tem a dizer!